Slide

Mulheres em Movimento: Qual será a nossa herança?



Sueli Carneiro tem um artigo com título “Mulheres em Movimento”, do qual eu pego emprestado para intitular esse texto. Segundo Sueli “o feminismo transforma as mulheres em novos sujeitos políticos” e durante esse meu processo de movimento por outros espaços com outras mulheres que também estão em movimento pude perceber como essa frase me contempla.

Durante algum tempo estive preocupada com o “Empoderamento Terceirizado” conceituei por empoderamento terceirizado o hábito comum em acreditar que o empoderamento é algo que independe da nossa pré-disposição, ou seja, da nossa busca e anseio. Compartilhei esse incômodo no meu perfil e li inúmeros comentários, em especial li o comentário da professora Luciana Mariano, no qual, ela fala que o seu empoderamento se dá através do empoderamento de outras mulheres (Mulheres em movimento) e que inclusive eu sou uma referência para ela.

A partir desse comentário compreendi que eu estava errada ao acreditar que o empoderamento estava dividido em duas etapas sequenciais:

1ª Etapa: Empoderamento Individual
2ª Etapa: Empoderamento Coletivo

Eu realmente acreditava que sem o empoderamento individual não seríamos capazes de alcançar o empoderamento coletivo. Acreditava que essa sequencia era imutável. Primeiro passaríamos pelo empoderamento individual e somente após ele chegaríamos ao empoderamento coletivo. Como eu disse: Eu estava errada!

Sigo acreditando nas duas etapas, porém não existe uma ordem cronológica, pelo contrário, o processo ocorre em um ciclo. Esses processos de empoderamento estão interligados. O empoderamento individual leva ao empoderamento coletivo, assim como, o empoderamento coletivo leva ao empoderamento individual. De qualquer maneira, precisamos de ambos para seguirmos em frente.

Ontem enquanto ouvia a Jurema Werneck falar eu fiquei bastante emocionada e preocupada. Ela disse que além de herdeiros/as, somos herança. Herdamos a luta das nossas ancestrais, herdamos as causas pelas quais Dandara, Luísa Mahin, Carolina de Jesus, Luíza Bairros, Aqualtune e inúmeras outras lutavam. Somos herdeiras dos encaminhamentos da Constituição de 1988, somos herdeiras dos mecanismos que possibilitaram nosso ingresso e permanência no ensino superior (Conquistas que o governo TEMER pretender ceifar), somos herdeiras da construção de creches, dos direito ao SUS, da pílula anticoncepcional, enfim, nós somos herdeiras. E por sermos herdeiras precisamos começar a nos preocupar com qual será a nossa herança.

Creio que a nossa geração tem um mecanismo muito importante: O Ciberativismo. No entanto, precisamos começar a fazer bom uso disso. Admito que eu me isento da responsabilidade de tentar dialogar com quem não se predispõe, mas quem quer dialogar, colar junto, somar compreendendo que o nosso propósito é maior do que as diferenças pessoais e as vertentes (que mais parecem religiões) eu estou aqui. Meu inbox está disponível e além de aparecer nos eventos proposto por nós, me comprometo a buscar espaços para nós, me comprometo a buscar mecanismo que possibilitem o dessilenciamento (Seja ele qual for, onde for).

Li algumas coisas referentes a mim naquela postagem na qual eu expus uma agressão verbal, e confesso que eu fiquei preocupada com as mulheres negras que comentaram ali, pois além de me repudiarem (?????) ainda utilizaram o discurso do “Não se vitimize” e aqui estou eu pensando na infelicidade que é uma Preta adotar o discurso da branquitude. Um discurso que coloca todas as nossas questões como “mimimi” e vitimização. Pretas, abandonem ou ressignifiquem esses conceitos pejorativos que a nós são destinados, e lembrem-se que eu, assim como vocês, não preciso me vitimizar, não preciso criar situações ou fingir marcas de opressões. Eu não preciso, pois como uma mulher preta, gorda, acadêmica e ciberativista eu sei o quão desgastante são os enfrentamentos constantes, sei o quão adoecedor é se sentir sozinha e eu me sinto sozinha todas às vezes que eu levanto uma questão que para mim é uma opressão declarada, mas que para as minhas (Irmãs Pretas) não é e por isso deixam passar despercebido.

Nós somos inúmeras, somos plurais e eu não peço sororidade, porque acredito que não temos maturidade ainda para lidar com sororidade (Talvez seja uma missão para as nossas herdeiras). Mas acredito em reciprocidade e, além disso, sei que mesmo discordando e até mesmo não gostando do posicionamento de algumas pretas/os eu não irei deslegitimar os movimentos que esses estão fazendo com os mecanismos que possuem, diferente da branca que estava me deslegitimando na faculdade eu não preciso protagonizar negativamente narrativas que não me pertencem.

Gostaria de salientar que conforme ouvi durante o “II Congresso sobre o pensamento das Mulheres Negras no Brasil”: PRETA OBEDIENTE NÃO COMBINA COM MILITÂNCIA!

E eu não pretendo ser obediente, submissa ou silenciosa. Eu não pretendo ser amada fingindo não ver ou silenciando outras pretas. Nós precisamos entender que militância não é clube da Luluzinha, as nossas ações políticas são o marco maior nessa trajetória e para desenvolver ações políticas precisamos estar em ritmo com o movimento uma das outras. Nós precisamos descobrir o que nos une e partir desse princípio, precisamos nos tornar mulheres em movimento, precisamos fugir urgentemente dos títulos e das vertentes que apenas nos separam e reconhecer que nós, através das nossas especificidades, estamos em movimento e precisamos fazer algo por nós e pelas nossas.

Sobre as nossas singularidades, Sueli Carneiro diz que “essa condição faz com esses sujeitos assumam, a partir do lugar em que estão inseridos, diversos olhares que desencadeiam processos particulares subjacentes na luta de cada grupo particular. Ou seja, grupos de mulheres indígenas e grupos de mulheres negras, por exemplo, possuem demandas específicas que, essencialmente, não podem ser tratadas, exclusivamente, sob a rubrica da questão de gênero se esta não levar em conta as especificidades que definem o ser mulher neste e naquele caso. Essas óticas particulares vêm exigindo, paulatinamente, práticas igualmente diversas que ampliem a concepção e o protagonismo feminista na sociedade brasileira, salvaguardando as especificidades. Isso é o que determina o fato de o combate ao racismo ser uma prioridade política para as mulheres negras, assertiva já enfatizada por Lélia Gonzalez, ‘a tomada de consciência da opressão ocorre, antes de tudo, pelo racial’.”

Quando eu falo que precisamos descobrir o que nos une, estou dizendo também que precisamos parar de acreditar que a nossa geração independe das lutas e conquistas travadas por nossas antepassadas. Precisamos reconhecer que nós temos história, precisamos nos apossar das nossas narrativas. Lembro que Djamila Ribeiro comentou na terça-feira algo mais ou menos assim: “Durante um diálogo e/ou discussão é quase automático buscar as feministas brancas como alicerce e referência apagando as nossas próprias referências”.

É comum ler as citações de Simone de Beauvoir, Margareth Rago e inúmeras outras feministas brancas sem sequer notar que nós temos nossas próprias referências, temos nossa própria produção intelectual e precisamos citá-las. Nós (Mulheres Negras), precisamos aprender a recorrer as nossas escrevivências como convida Conceição Evaristo, precisamos citar Lélia Gonzalez, Cláudia Pacheco, Jurema Werneck, Nilma Lino Gomes, Claúdia Pons Cardoso, Sueli Carneiro, Bell Hooks, Chimamanda Ngozi Adichie, Luiza Bairros, Zelinda Bairros, Núbia Regina Moreira, Rosália de Oliveira Lemos, Paulina Chiziane, Angela Davis, Beatriz Nascimento e inúmeras outras intelectuais negras.

Essa ridicularização que ocorre quando citamos outras autoras precisa ser repensada, esse hábito de nos taxar como academicistas como se isso fosse algo ruim precisa ser repensado. Não deveria ocorrer essa ridicularização por nós conseguirmos trazer outras abordagens para o palco da discussão. Leio as críticas feitas às pretas acadêmicas como se nós estivéssemos distantes de vocês que ainda não estão nos espaços acadêmicos, aliás, leio as críticas como uma espécie de recusa a pertencer a esses espaços. Só que o intuito deveria ser justamente estar nesses espaços, espaços que fazem parte do legado das nossas e dos nossos ancestrais. Essa rivalidade é incoerente, e até parece que na academia estamos tendo acesso a um vasto referencial teórico e uma constante biografia africana/afro-brasileira.

Não é bem assim, infelizmente o ensino ainda é eurocêntrico. Por isso, bora pensar mecanismos para que vocês estejam aqui, ocupando esses espaços para juntxs somar conosco e lutar para que, por exemplo, as disciplinas de gênero, raça e sexualidade deixem de ser optativas e se tornem obrigatórias, para que a Lei 10.639/03, – que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana nas redes públicas e particulares da educação –, comece a ser eficaz na prática.


Por fim, termino dizendo que além de nos citar através das nossas produções, precisamos estar em movimento, como ouvi ontem na oficina Juventude Negra e Empoderamento: “Precisamos criar uma rede de mulheres em movimento. Como disse Dai costa: “Eu não faço parte de um movimento, não faço parte de uma instituição. Eu sou o movimento!”. Como disse Bell Hooks: “Eu não sou feminista, eu defendo o feminismo”. Talvez esse seja o momento de nós nos afastarmos um pouco dos títulos e pautar quais são as ações políticas que juntas precisamos defender. 

E quando falta amor?

Estava pensando quando exatamente eu comecei a me amar, me amar de verdade, incondicionalmente, sabe? Hoje parece fácil essa coisa de me olhar no espelho e amar o reflexo presente ali, mas nem sempre foi tão fácil ou simples. Em algum momento eu aprendi a me amar, me amar de verdade sem todas aquelas críticas destrutivas e cruéis. Mas já me odiei, odiei o fato de eu ser gorda, de eu ser preterida e até mesmo de ser sempre a cupido, nunca a garota escolhida, desejada.


Eu gostaria de poder dizer que com o tempo isso passa, essa falta de amor-próprio some, porém, não é verdade. Não foi o passar do tempo que me ensinou a me amar. Não mesmo, com o passar do tempo isso só piorou, eu me isolei das pessoas, do mundo em si. Destinei meu tempo a coisas que prendiam a minha atenção, escrever, por exemplo.

Um dia eu me apaixonei, – Creio que isso era inevitável –, e me comportei como todas as meninas ao meu redor, nada muito espetacular (mas não foi a melhor experiência da minha vida). Aprendi bastante com essa paixão, lições preciosas sobre amar a si mesma e sobre abrir mão do amor-próprio em nome do relacionamento. Por isso, atualmente ao questionar o que as pessoas estão procurando em um relacionamento não fico muito surpresa ao ouvir que não é amor o que elas buscam.

Confesso que quando me apaixonei estava buscando o amor, não era o melhor amor o que eu quis, era algo idealizado e possessivo., mesmo assim, acreditava que era o melhor amor que eu poderia ter. Atualmente as pessoas falam em ter alguém com quem compartilhar bons momentos, falam sobre carinho, troca de afeto e companhia, mas optam por não falar sobre o amor.

Ouço as pessoas falando incessantemente sobre ter alguém não para amar, mas basicamente só sobre ter alguém, porque estar só parece horrível, quase insuportável. Ter alguém se tornou uma meta de vida, uma perspectiva para adquirir o tão sonhado sucesso. Mas não é sobre amar alguém, é sobre ter como se o outro fosse um objeto de posse.

E para ter esse tão esperado alguém é natural fazermos ajustes, concessões, abrir mão de algumas coisas. E nesse processo de abrir mão de algumas pequenas coisas nós deixamos de ir para inúmeros eventos porque a outra pessoa não pode ir (ou não quer ir). Nós deixamos de assistir determinados filmes e séries porque a outra pessoa não gosta ou prefere outra coisa, deixamos de usar determinada roupa (Como um simples vestido azul) porque para a outra pessoa é aquela roupa é inadequada causando desconforto sempre que usamos.


Em prol de ter alguém diminuímos nosso próprio ritmo, mudamos de canal e abrimos mão de coisas básicas, supostamente banais. Até que percebemos o quanto paramos de fazer coisas banais e passamos a nos comportar em prol dos caprichos alheios. Desistimos de iniciar uma discussão, mudamos de assunto, nos silenciamos diante de um problema e ignoramos qualquer desconforto em prol de ter alguém.


Começamos a nos comportar com base no que é bom para o relacionamento. Nós nos acostumamos a temer uma ligação perdida e aquela visualização sem resposta, ficamos com medo de uma possível “DR”, da briga e do sermão e por fim do término iminente e tudo isso não é porque amamos a outra pessoa, é só pelo comodismo, pelo hábito de tê-la ou por medo do fracasso que a sociedade propaga sobre estar só. Nós nos comportamos porque queremos ter alguém mesmo que esse alguém não nos queira do jeito que somos.

Por onde andei...




Soube que você anda perguntando por mim, por aí... Soube que você anda sem entender, querendo saber por quais motivos eu sumi, mas eu não sumi, continuo aqui, vivendo minha vida. Continuo aqui, caminhando minhas trajetórias e lutando minhas batalhas. Cada passo de uma vez, sem pressa ou cobranças.

Demorar tanto tempo sem escrever nada por aqui está sendo bastante angustiante. Voltar a escrever está sendo um desafio angustiante. As coisas foram acontecendo e eu acabei não conseguindo acompanhar os eventos da minha própria vida. Antes de descobri que eu tenho Ceratocone a minha produção já estava diminuindo por conta da doença, mas também por não ter tempo para escrever. E essa falta de tempo não diminui, pelo contrário, apenas foi somada ao desânimo causado pela baixa visão.

No final do ano passado o Mais Íntimo promoveu a Vakinha: Uma visão mais clara para Andrielle Antonia (Sou imensamente grata pelo apoio de todos/as), o que resultou na compra das lentes de contato e desde março estou tentando me adaptar. No entanto, a adaptação não está sendo muito prazerosa... Sinto uma imensa irritação e desconforto, porém, se eu quiser enxergar preciso usá-las.

Durante esses meses que estive sumida aproveitei para repensar a terceira fase do Mais Íntimo e pretendo colocar as ideias em prática a partir de Junho. Então, teremos textos novos e a minha ausência irá diminuir. De qualquer maneira, só passei para avisar que eu estou bem, viva. Saibam que eu continuo atualizando a página do Mais Íntimo, assim como, sempre posto algo no meu perfil pessoal: Andrielle Antonia.

Retomaremos as postagens em breve


Beijocas *-*